Cargaleiro

1927
Nasce a 16 de em Março em Chão das Servas, Vila Velha de Ródão, Portugal.

1928
Passa a residir na Quinta da Silveira de Baixo, no Monte da Caparica.

1939
Inicia os estudos no Instituto Secundário de Lisboa.

1945
Primeiras experiências em cerâmica na olaria de José Trindade, na Caparica.

1946
Ingressa na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, no curso de Geografia e Ciências Naturais, que mais tarde abandona para se dedicar exclusivamente as Artes Plásticas.
Inicia a sua actividade como ceramista na Fábrica Santana: em Lisboa.

 

1949
Participa pela primeira vez numa exposição colectiva

1950
Organiza, em colaboração com a Comissão Municipal de Turismo do Concelho de Almada, o 1° Salão de Artes Plásticas, na Caparica.

1952
Primeira exposição individual, Lisboa, SNI.

1954
Prémio “5ebastião de Almeida (cerâmica), SNI. Professor de cerâmica na Escola de Artes Decorativas António Arroio.
Conhece Maria Helena Vieira da Silva e Arpad Szènes. Primeira viagem a Paris.

1955
Recebe o Diploma d Honneur de l’Académie Internationale de la Céramique, no Festival de Cerâmica, Cannes.

Dirige os trabalhos de passagem para cerâmica, das estações da Via-sacra do Santuário de Nossa Senhora de Fátima, da autoria de Lino Ant6nio.

1956
Primeiro Prémio no concurso para o revestimento em cerâmica dos Edifícios da Cidade universitária de Lisboa (projecto não realizado).

1957
Recebe uma bolsa do Governo Italiano, através do Instituto de Alta Cultura, que Ihe permite visitar Itália e estudar a arte da cerâmica em Faenza, Roma e Florença.
Fixa residência em Paris.

1958
Estágio na Falencene de Gien, sob a orientação de Roger Bernard, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian.
Participa na organização da 111 Exposição de Artes Plásticas de Almada.
Oferece peças de cerâmicas populares, dois painéis e um vaso de sua autoria para a reconstituição da secção portuguesa do Museu Internacional de cerâmica de Faenza, muito danificado durante a 11 Guerra.
Com Lourdes de Castro e René Bertholo, aluga um apartamento na Rue du Vieux Colombier, Paris.

1959
É eleito vereador da Camara Municipal de Almada para o triénio 1960 – 1963.
Adquire um atelier na Rue des Grands-Augustins 19, onde passa a residir Estabelece amizade com Natalle Gontcharova e Michel Larionov.

1964
Organiza na Galeria Gravura, em Lisboa, a exposição 1Z Artistas de Paris: Gravuras da Colecção Manuel Cargaleiro.

1974
Faz parte do júri do VIII Salão de Arte infantil: Para o Desenvolvimento de Uma “Imaginação Criadora”, promovido pelo Estoril Sol.
Homenagem a três artistas da Beira Baixa: Eugénio de Andrade, José Cardoso Pires e Manuel Cargaleiro, organizada pelo “Jornal do Fundão”.
Edição de uma medalha da autoria do escultor Lagoa Henriques para comemorarão do 25° aniversário da actividade artística de Manuel Cargaleiro.

1978
Edição do livro Manuel Cargaleiro, Obra Gravada f 957-1978, com introdução de Virgílio Ferreira.

1979
Edição da serigrafia Na Noite e no Silêncio, com o poema ‘Ladainha dos Póstumos Natais, de David Mourão-Ferreira, pela Galeria São Mamede, Lisboa.

1980
Executa o cartão onginal de uma tapecaria para o novo edifício sede da O.l.T. (Organizacao Internadonal do Trabalho), em Genève, por encomenda do Governo Português.
Edição de uma serigrafia – Homenagem a Rõntgen – por ocasião da Reunião Cientifica Comemorativa da Inauguração da Sociedade Portuguesa de Radiologia e Medidua Nuclear.

1982
É agradado com a Ordem da Cruz de Santiago da Espada, no Dia de Portugal. Integra a colecção de serigrafias e gravuras co-editadas pelo Unibanco e Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

1983
Integra o júri do IV Salão de Outono do Casino Estoril e do Concurso Universitário de Fotografia da Universidade Livre.
Participa no Encontro Portugueses no Mundo – Uma Cultura a Preservar, Porto. Edição do livro Connaître la Peinture de Cargaleiro, de Jacques Dopagne, Paris. 1984
É agradado com o Grau de Offider des Arts et des Lettres pelo Governo Francês.
Galardoado com o’Troféu Lusíada”, atribuído anualmente pelo Elos Clube, às individualidades que se distinguiram na divulgação de Portugal no estrangeiro.
Faz parte da Comissão Consultiva da “I Exposição Ibérica de Arte Moderna’, realizada em Campo Maior.
É presidente do júri da final nacional do concurso “Construções na Areia”, promovido pelo ‘Diário de Noticias”.
Oferece 41 obras inéditas ao Museu Tavares Proença Júnior, de Castelo Branco, destinadas à realização de exposições itinerantes.
Apresentação do álbum Manuel Cargaleiro – 30 Anos de Pintura, na Galeria de Arte do Casino Estoril, Ed. atlântico.

1985
Partidpa em ‘The Second International Contemporary Art Fair’, Londres e no ‘ 1 ° Encontro de Artistas Plàsticos da América Latina, Espanha e Portugal, de um selo de sua autoria, comemorativo dos Cinco Séculos do Azulejo em Portugal.

1987
Executa um painel a óleo sobre madeira para a Companhia de Seguros Bonança.
Dirige os trabalhos de passagem para azulejos de uma obra de Maria Helena Vieira da Silva para a Estacão de metro da Cidade Universitária (1988), Lisboa. Intervenção com azulejos no monumento ao Dr. José R Toscano Pessoa, da autoria de Lagoa Henrique, Monte da Caparica.
Integra a Comissão de Honra e o júri de Pintura da I Mostra de Artes e Ideias, promovida pelo Clube Português de Artes e Ídolos.
Participa na colecção Azulejos do Minho, editada pela Galeria Nasoni, com
150 Obras e 15 provas de artista.

1988
É agradado com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito, no Dia de Portugal.
Edição de Cargaleiro: Desenhos, por Lello 8` Irmãos Editores. Texto de Jorge
Guimarães.
1989
É agraciado com a Medalha de Ouro do Concelho de Vila Velha de Ródão.
Edição dos livros Manuel Cargaleiro: Guaches e Óleos, e de Manuel Cargaleiro: Tapeçarias.

1991
Recebe a Medalha de Mérito Distrital no âmbito das comemorações do Dia de
Portugal’, em Setúbal.

1994
Condecorado com a Medalha de Ouro da Câmara Municipal de Almada.
A Escola Secundária do Fogueteiro, Seixal, passou a charnar-se Escola
Secundária Manuel Cargaleiro.

1995
Integra o júri do VIII Salão de Primavera Galeria de Arte do Casino Estoril.
Edição de Painéis de Azulejo de Manuel Cargaleiro para a Estacão Champs Élyses Clémenceau, pelo Metropolitano de Lisboa. Texto de Margarida Botelho.

1999
Homenagem a Artur Bual com Exposição de Cerâmica, na Galeria de Arte Municipal da Amadora que se passará a partir daí a chamar-se GALERIA MINICIPAL ARTUR BUAL.