Biografia

101220035054614

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

Pintura e Gravura
“Vértice de água “ na Clínica Climarta – Algés (2003) “Sonhos da Água que passa “ no INDEG, Business School ISCTE – Lisboa (2003) Formas em Movimento –
Livraria Almedina – Atrium Saldanha – Lisboa (2003)
PINTURA
“ O Caminhante” na Galeria Municipal de Arruda dos Vinhos (2015) “ Sem temer a madrugada II” na Galeria de Arte Maria Priscila – Vidago (2009) “ Sem
temer a madrugada II” na Sala Multiusos do centro cultural de Chaves (2009) Café Cultural “Sem Medos”, Bairro Alto, Lisboa (2006) “Movimento do Nada”,
Zoo de Lisboa (2005) “Portas e janelas”, Dançarte – Algueirão, Sintra (2005) “O Bosque” no INDEG Business School ISCTE – Lisboa – (2004) “ Debaixo de um
outro céu”, Livraria Almedina – Atrium Saldanha – Lisboa (2004) “ Dentro e Fora do Olhar” na Galeria Municipal de Fitares – Sintra (2004) “ Tempo de nuvem”,
Livraria Almedina – Atrium Saldanha – Lisboa (2003) “ Paredes de Água” na Galeria Municipal Artur Bual – Amadora – (2001) “The lost City” no INDEG Business
School ISCTE – Lisboa – (2001) Exposição / Instalação “Água” na Galeria VINCENT no C. C. Colombo – Lisboa (2001) “ Sem temer a madrugada” na VINCENT – C.
C. Colombo – Lisboa (2001) “ Um homem não morre quando quer” na VINCENT – C. C. Colombo – Lisboa (2001) “ O lado frio do sol” Espaço GAN – Av. Berna –
Lisboa (2000) “ Casas vazias, vazio habitado” na VINCENT – C. C. Colombo – Lisboa (2000) “ Cordas II” no TARGUS – Bar (Bairro Alto) Lisboa (1999) “ Um Sonho
à espera de outro Sonho” Galeria – Bar Património Castelo Branco (1999) “ Rios Secos de tanto Ver o Mar” na Galeria Municipal de Arruda dos Vinhos (1999) “
Sem Temer a Madrugada” na Galeria Municipal do Cartaxo (1998) “ Cordas” no Salão Nobre dos Recreios da Amadora (1998) “ Momentos e Movimentos” no
Salão de Exposições do Ateneu de Leiria (1996) “ Ausência” no Padrão dos descobrimentos – C. M. Lisboa (1996) “ Do Lume e da Noite” na Galeria Municipal de
Arruda dos Vinhos (1996)
EXPOSIÇÕES COLECTIVAS
II Exposição de Artes Plásticas, Arte na Planície Montemor O Novo – Alentejo (2006) Exposição colectiva de Pintura de Natal no INDEG Business School ISCTE –
Lisboa (2006/7) III Exposição Internacional de Artes Plásticas de Sesimbra – Sesimbra (2006) Colectiva de Pintura do ARTEVER no INDEG Business School ISCTE
– Lisboa (2006) Auto-retratos na Galeria Municipal de Fitares – Sintra (2005) Exposição de Homenagem a José Rui, zero-figura na Galeria Municipal da Amadora
(2005) Colectiva de pintura e Escultura do CIRCULARTE, na galeria Artes R. Lobo – Leiria (2005) Homenagem a Júlio Pita, Colectiva de pintura, Sistemas Rafael
– Alfragide (2005) Colectiva de Pintura do ARTEVER no Dançarte Algueirão – Sintra (2005) Exposição colectiva de Pintura no INDEG Business School ISCTE – Lisboa
(2005) X Exposição de Artes Plásticas de Vendas Novas – Alentejo (2005) Homenagem ao 25 de Abril no Palácio do Infantado – Samora Correia (2004) Exposição
Surrealista de Pintura e Escultura – Na Galeria da cervejaria Trindade – Lisboa (2004) 1.ª Exposição Internacional de Artes Plásticas de Sesimbra – Sesimbra (2004)
Exposição Colectiva “Diversidades” – Galeria Municipal de Fitares – Sintra (2004) Colectiva de Pintura no INDEG Business School ISCTE – Lisboa (2004) Colectiva
de Pintura na Galeria Diferença – Lisboa (2003) Colecção INDEG 2001 – 2003 – no INDEG Business School ISCTE – Lisboa (2003) “Colectiva de Pintura Surrealista”
na Direcção Geral da Adm. Da Justiça (2003) XIII Bienal – Festa do Avante (2003) Colectiva de Pintura Espaço de Arte Sebastião Pires – Mem Martins – Sintra
(2002) Exposição e leilão de Artes Plásticas da Cruz Vermelha – Amadora – (2002) Colectiva de Pintura, Escultura e Cerâmica, Convento de S. José – Lagoa – Algarve
(2002) Colectiva de Pintura na Galeria da LCR – Sintra (2002) Prémio Vespeira – VII Bienal de Artes Plásticas – Cidade Montijo (2002) Colectiva de Pintura no
INDEG Business School ISCTE – Lisboa (2001) Exposição Colectiva na ALmagre – Lisboa – (2001) Colectiva de Pintura no INDEG Business School ISCTE – Lisboa
(2001) Colectiva de Pintura na Vincent Galeria de arte – C. C. Colombo – Lisboa (2001) Colectiva de Pintura do Novo Milénio na galeria da LCR – Sintra (2001)
Colectiva de Pintura e Escultura na Galeria de Arte “YOSEPHUS” (2000) Colectiva de Natal na Galeria de Arte LCR – Sintra (2000) 6.ª Exposição Internacional
de Artes Plásticas de Vendas Novas (2000) Colectiva no INDEG Business School ISCTE – Lisboa (2000) Colectiva na Galeria “YOSEPHUS” – Sol ao Rato – Lisboa
(2000) 6.ª Bienal de Artes Plásticas – Prémio Vespeira – Montijo (2000) Inauguração da Galeria da Lapa – Lapa – Lisboa (1999) 50 Anos de Pintura / Escultura em
Portugal – Palácio Foz – Lisboa (1999) V Exposição Internacional de Artes Plásticas de Vendas Novas (1999) “Percursos de Arte” C.C. Pedralvas – Benfica (1999)
“Percepções perante a doença de Alzheimer” no Centro Cultural de Belém (1999) XI Bienal – Festa do Avante (1999) III Concurso Nacional Jovens nas Artes
– Ass. Nacional de Jovens Empresários (1999) II Bienal de Artes do Alentejo (1999) “Um retracto para Fernando Pessoa”, Comemoração dos 111 anos do poeta,
Ass. Fernando Pessoa, Espaço Mar Portuguez – Lisboa – (1999) Convento dos Lóios Museu Municipal – St.ª Maria da Feira – (1999) Edifício da Alfândega – Porto –
(1999) Biblioteca Municipal – Caldas da Rainha – (2000) Galeria da Casa Nobre – Évora – (2000) IV Exposição Internacional de Artes Plásticas de Vendas Novas
(1998) II Bienal de Pintura – J. F. da Mina /Amadora (1998) Dir. Geral de Portos (1997) “Portalegre Sol XXI” na Galeria Municipal de Portalegre (1995) Concurso
“Os Jovens e a Arte” – Amadora (1994) Exposição nos Paços do Concelho de Alpedrinha, com Artur Bual e Mena Brito (1991) Exposição e Concurso “Os 80 anos
do Instituto Superior Técnico” – 2.º lugar (1991) Dir. Geral de Portos (1991) VI Salão de Primavera do Casino Estoril (1991) Dir. Geral de Portos (1990) V Salão de
primavera do Casino Estoril (1990) 2.º Salão Nacional de BD Portuguesa (1988) 1.º Salão Nacional de BD Portuguesa (1987)
POESIA
Publicou: O livro de Poesia “Sem temer a madrugada”, Editora – Universitária Poesia, Lda (2000)
Participou: No livro “Homenagem a José Régio”, Ed. Escritores da Tertúlia Rio de Prata (2002) No livro de poesia “Florilégio de Natal”, Ed. Escritores da Tertúlia
Rio de Prata (2002) Nos Cadernos de Poesia n.º 2 do Circulo Artístico e Cultural Artur Bual (2002) No livro MILLENIUM “77 Vozes de Poetas Portugueses” Ed.
Universitária Editora (2002) No livro de poesia “Florilégio de Natal”– Pelos Escritores da Tertúlia Rio de prata (2001) No Jornal literário – “Poetas e Trovadores” –
Guimarães – (2000/01) No Suplemento Cultural – Fanal – Jornal “O distrito de Portalegre” (2000)
Na Revista de Poesia “Petrinia” (2000) No livro de homenagem a A. Bual “Sopros de Ser” C.M. Amadora (1999) No Livro de Poesia “ Bolinando” da Ass. Coop. e
Rec. de Alhos Vedros (1996) Na Revista Literária “Sol XXI”, desde Junho de 1995 No Suplemento Cultural – Matosinhos Hoje (Matosinhos) No Suplemento Cultural
Vila Saloia (Sintra) – (desde 1994) No Livro “Anuário Luso-Brasileiro de Pintura – 2003” Ed. Universitária Editora (2003) No Livro “Pintura em Portugal – 2001” Ed.
Universitária Editora (2001) No Livro “50 anos de Pintura e Escultura em Portugal” Ed. Universitária Editora (1999)
ILUSTRAÇÃO
Ilustrou : Os Cadernos de Poesia n.º 2 do Circulo Artístico e Cultural Artur Bual (2002) O Livro “À Janela do Armador” Edição C. M. Lisboa (1998) “A Rapariga
das magnólias”, Ed. CML/Fundação Portuguesa, A Comunidade Contra a Sida (1998) O Livro de Poesia “Degraus” de Luís F. Maçarico (1999) “Os Peregrinos do
Luar” de Luís F. Maçarico (1998) “Intim(a)idade” de Luís F. Maçarico (1996) “Lisboa, Asas de Água” – Edição C. M. Lisboa de Luís F. Maçarico (1994) O Jornal “O
Trabalhador” da C. M. Lisboa, Janeiro e Abril – Ilustrações (1990)
OUTROS
Participou: Entrevista na Revista Casa e Decoração – Março (1999) Membro do Júri: 2.ª Edição do Concurso “Lisboa, Desporto e Criatividade” C. M. Lisboa (1997)
Membro do Júri no Concurso “Lisboa Limpa tem muita Pinta” da C. M. Lisboa (1996) Feira do Livro / Lisboa 96 – Atelier de Pintura com Crianças “Pintar Lisboa”
(1996) Feira do Livro / Lisboa 94 – Atelier de Pintura para Crianças “O Ambiente” (1994) Tradução p./ Francês em parceria com Raja Litwinoff do Livro de Poesia
“Os Pastores do Sol” de Luís Maçarico (1995) Na criação de um Painel de Azulejos para o G. D. E. “Os Combatentes” (2000)

 

image001            921199_753089394825581_5215590544519511445_o

 

(Reflexões acerca do percurso do Pintor Rodrigo Dias)
Rodrigo Dias é um Pintor, para quem a existência é uma imensa tela, que se prolonga na pele,
nas paredes, nos gestos, na luta constante pela cintilação, mas também pelo seu contrário.
Entrar no seu espaço, na lógica do seu percurso enriquecedor – com inúmeras facetas,
ora experimentalista, ora imbuído do traço clássico, é mergulhar numa teia de sensações,
espantos, renascimentos.
Que despertam o voo do verbo, emoções…
A sua jornada foi vincada a ferro e fogo.
O quotidiano transcendeu-se.
A incompreensão outorgou-lhe asas.
O seu refúgio teve sempre a escala do inesperado e do desmedido.
Cada representação pictórica ou desenho condensam um tempo, que foi de lágrimas e suores
sublimados num silêncio ruidoso, insuportável, desalinhado.
Influências, teve-as, – e podemos evocar Moebius ou Artur Bual, cujo atelier frequentou com
regularidade, sendo Amigo do Fecundo Criador – mas o trajecto ganhou a forte pegada da sua
criatividade, da singularidade de um processo, que para ter verdade exorcizou muita entrega
e autonomia onírica.
Aparte as ocupações profissionais, de onde, enquanto mortal comum, retira o sustento, este
Artista sente a liberdade de uma loucura próxima, nas formas e tons, transformando o quadro
no ringue, onde luta com o mundo interior.
Por muito que as palavras busquem explicar a técnica e a imagética dos seus cenários e
máscaras, é a observação do público mais atento, que melhor pode sentir a obra de Rodrigo
Dias.
Procurando vivenciar os dias da criação – pincéis, tintas e telas, num diálogo tenso,
reproduzindo rostos, pedaços de vidas anónimas, que marcam a caminhada colectiva,
retratos de fantasmas, que tentam dizer algo sobre a alucinação dos momentos, A pintura
de Rodrigo Dias é um retrato do nosso tempo, de perda constante, de paraísos obscuros, que
tanto custam a descobrir, da pureza escondida, da subversão de respirar sonhos…
Entramos nas telas com a sensibilidade, procuramos no labirinto a luz que faz falta, para
acreditar em algo, nem que seja no retorno do cosmos.
Rodrigo Dias semeia incansavelmente. Colhe o ouro do seu insaciável labor.
Saboreemos estes frutos invulgares, que o olhar tem de saber ver.
Universos paralelos, presentes na nossa digressão.
Admiramos esta linguagem divergente, que reproduz uma matriz desusada através da qual
comunica Pintura, sem concessões.
O futuro deste Artífice vai levá-lo a um plano esplendoroso, que o fixará na História da Arte,
pela originalidade criativa, pela inspiração cromática, pela proposta que revoluciona o que
conhecemos, auto – renovando-se em cada dia, permanecendo numa Beleza sem Limites,
que apenas os Mestres alcançam.
Luís Filipe Maçarico
Antropólogo; Poeta
Lisboa, 7 de Janeiro de 2016

 

705404_753089301492257_5447010727767962266_o

A arte de Rodrigo Dias é um organismo vivo. Reflexos que se multiplicam. Ânsias. Itinerários,
rios que passam e escorrem pelas mãos do artista. A sua arte é epidémica, contagia pelo
olhar. Febril, morre, esvazia-se. E volta a renascer.
São barcos que chegam e que partem. Ao olhar, ancoram-se. Resistem às ondas das vozes.
Resistem ao temor do mar impiedoso. Resistem…
Contagiada de sensualidade, de sentido hipnótico, leva-nos por caminhos novos.
Alumbramento.
A arte vai crescendo de dentro para fora como corpo habitável. Alegorias do inconsciente.
Onírica. Traço exalado de uma realidade invisível e despida apenas pelo olhar sensitivo.
Os nossos sentidos embrenham-se pela floresta de corpos inomináveis, que se movimentam,
que vibram, que nos mostram a alma e escondem o rosto no preto, no branco e no silêncio
inquieto das cores.
Diana Guimarães