Biografia

Margarida Santos Nasceu em Canelas, Concelho de V. N. de Gaia, a 27 de Novembro de 1946. Frequentou a Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis onde concluiu o Curso Geral – Secção de Belas-Artes em 1963. Posteriormente ingressou na Escola Superior de Belas Artes do Porto, onde, com o apoio dos Prémios Ventura Terra e da Fundação Calouste Gulbenkian, concluiu o Curso Complementar de Escultura em 1968. Trabalha em atelier próprio desde essa data, onde escreve, desenha, ilustra e pinta.

A sua férrea independência de carácter e o gosto por leccionar e despertar vocações levou-a a dar início a uma actividade docente no Ensino Oficial em 1968, o que lhe assegurou a sobrevivência financeira e lhe permitiu o exercício de diversas actividades pedagógicas e culturais. Fez o Curso de Ciências Pedagógicas da Faculdade de Letras de Coimbra em 1970 e o Estágio Pedagógico e Exame de Estado – dissertação e defesa – sobre «A Criatividade na Educação Artística», em 1972. Montou gabinetes de Fotografia na Escola. Foi professora do 5º Grupo no período compreendido entre 1968 e 2006, dando especial relevo ao ensino do saber ser, saber pensar, saber projectar e saber comunicar. O espírito inconformista e criativo e a apetência para enfrentar desafios e experimentar áreas de expressão em diferentes domínios foram determinantes no seu percurso. Foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian em 1974 e 1975. Orientadora Pedagógica da Direcção Geral do Ensino Básico entre 1975 e1976. Orientadora da Equipa Pedagógica de Educação Visual da Telescola entre 1976 e 1980. Montou diaporamas. Escreveu guiões e realizou filmes pedagógico – didácticos. Colaborou em programas culturais da televisão. Foi autora e apresentadora do programa «Jeito e Efeito» da RTP entre 1980 e 1982. Realizou acções e cursos de formação para professores. Promoveu na Escola exposições de Artes Plásticas e visitas guiadas, com carácter bienal. Participou na criação do «Museu do Granito» na Escola Preparatória de Canelas.

O fascínio pela poesia e pela interioridade das coisas revelou-se, através da escrita e da ilustração, e no interesse pelo que se passava em seu redor no mundo das artes produziu textos de abordagem analítica e sensitiva à obra de vários autores, tendo sido directora artística da «Galeria da Praça» no Porto em 1991 e 1992. Produziu crónicas radiofónicas e publicou poesia em páginas literárias e Antologias Poéticas. Apresentou Comunicações sobre Arte e Escultura nas Escolas, na Universidade de Aveiro e na Escola de Gestão da Universidade do Minho. Escreveu o livro «Do Barro ao Bronze – Como nasce uma escultura» quando lhe foi concedida Licença Sabática no ano lectivo 2004/2005.

O exercício da cidadania empurrou-a para a criação e regulamentação de associações como a dos Artistas de Gaia de cuja Cooperativa é sócia fundadora nº dois e a ser membro activo da Associação Nacional dos Artistas Plásticos e da de Dadores de Sangue de V. N. de Gaia. Foi mandatária para a Cultura de Luís Filipe Menezes à Presidência da Câmara Municipal de V. N. de Gaia em 2005 e mandatária concelhia à Presidência da República de Mário Soares em 2006. Manteve sempre um forte pendor associativo, sendo sócia de associações culturais e solidárias.

Numa busca constante em aprender com o contacto directo com obras de arte e com culturas antigas e contemporâneas, desde a sua viagem de fim de curso (1968), onde esteve nos mais representativos Museus da Europa, tem viajado anualmente para destinos diversos onde visita países, Monumentos e Museus, desde o Ermitage na Rússia, passando pelos Moais da Ilha da Páscoa no Chile e pelo Vigeland Park em Oslo, até aos Guerreiros de Terracota do imperador Shi Huangdi em Xian na China, entre muitos outros.

Apesar dos múltiplos projectos em que se empenhou foi enquanto escultora que se afirmou com maior acuidade, nunca esmorecendo nos objectivos traçados para a sua vida, apesar dos pesados custos duma actividade escultórica independente e livre. Esteve presente nas mais representativas exposições colectivas do país e apresentou-se a público em quatro dezenas de exposições individuais, em galerias comerciais com as quais nunca quis vínculo, e em galerias e espaços municipais. As suas obras originais e acabadas pertencem a numerosas colecções particulares e públicas.

O seu estilo pessoal sempre privilegiou a figura humana, que abordou de várias perspectivas e multiplicou incessantemente. A simbologia da semente apaixonou-a dando origem às figuras de Mulher e depois às do par Homem – Mulher, marcados por um jogo amoroso aliado à música e à poesia, que pronunciam a existência humana para além da realidade física conhecida. As esculturas, sendo concebidas para escalas maiores, apresentam-se em dimensões reduzidas, à espera de serem transpostas em bronze para mais amplos espaços.

Paralelamente à obra de autor que vai mostrando nas exposições, tem correspondido a solicitações para encomendas de particulares, entidades privadas e de autarquias, adoptando na obra pública um estilo realista/histórico, por vezes simbólico, sendo responsável pela concepção de inúmeros monumentos, bustos, retratos, troféus e medalhas, que se encontram disseminados por diferentes instituições e locais.

PRÉMIOS E DISTINÇÕES

1988 – Medalha de Mérito atribuída pela Escola Preparatória de Canelas
1992 – Diploma e Medalha de Mérito Cultural atribuída pela Junta de Freguesia de Canelas
1993 – Prémio Especial do Júri na «Trienal Latina Exposição Internacional de Arte», em Puy-en Velay/França
1996 – Prémio de Desenho atribuído pelo Governo Espanhol na «Exposição Rio Douro Artes Plásticas»
2002 – Diploma e Medalha de Mérito Cultural e Científico (classe ouro) atribuída pela Câmara Municipal de V. N. de Gaia
2008 – Medalha Prestígio atribuída pelo jornal Audiência na 3ª Gala Anual / V. N. de Gaia
– Prémio Aquisição na «XXIII Exposição Colectiva dos Sócios da Árvore»

REPRESENTAÇÕES OFICIAIS

Associação Nacional dos Jovens Empresários-Porto; Museu Diogo Gonçalves-Portimão; Escola Superior de Belas Artes do Porto; Centro Cultural do Alto Minho; Câmara Municipal do Porto; Casa Museu Teixeira Lopes-V. N. de Gaia; Biblioteca Pública Municipal de V. N. de Gaia; Câmara Municipal de Gondomar; Assembleia de Guimarães; Câmara Municipal da Póvoa de Varzim; Rádio Televisão Portuguesa; Bank of Lisbon International,Ltd – Johannesburg / África do Sul; Esplanada Charles De Gaulle à Bordeaux Mériadeck-França; Museu de Porto de Mós-Batalha; Câmara Municipal da Amadora; Câmara Municipal de Barcelos; Biblioteca Municipal da Póvoa de Varzim; Câmara Municipal de V. N. de Gaia; Câmara Municipal de Rio Maior; Câmara Municipal de Santarém

PUBLICAÇÕES

1968 a 1970- Publicação de poemas em páginas literárias
1972 – “A Criatividade na Educação Artística”- Tese para Exame de Estado
1986 – “Criação e Apocalipse”- Álbum de Desenhos (co-autoria)
– Participação na Antologia Poética – “Memória de – um Rio”
1992 – Participação na Antologia Poética – “Antologia-Poesia”
1999 – Colectânea de Postais sobre o 25 de Abril – “25 Abril + 25 anos + 25 artistas”

BIBLIOGRAFIA

Para além das inúmeras referências em críticas, artigos, entrevistas, etc., na imprensa falada, escrita e televisiva, incluindo sites e blogs na Net, destaque para as seguintes:
“Portuguese Artists of the 20th Century”-Michael Tannock; “Dicionário dos Pintores e Escultores Portugueses”-Fernando de Pamplona; “Artistas ao Norte”-Arsénio Mota; “Al-Manák de Gaia 1989/1990/1991”-Afons’eiro Edições; “Anuário das Artes Plásticas” – nº2 – 1997 da Estar Editora; “Escultores Contemporâneos em Portugal” de Manuela Synek e Brás Queiroz – Estar Editora, 1999; 50 Anos de Pintura e Escultura em Portugal – Universitária Editora, 1999

« 1 de 2 »